Documentos

Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento – 2017/2018

Critérios de Avaliação Pré_escolar

Critérios de Avaliação 1ºCiclo

Critérios de Avaliação do Departamento de Ciências Sociais e Humanas

  • História e Geografia de Portugal (2º Ciclo), História (3º Ciclo), Geografia (3º Ciclo), Educação Moral e Religiosa Católica (2º e 3º Ciclos)

Critérios de Avaliação do Departamento de Expressões

  • Educação Física (2º e 3º Ciclos)
  • Educação Musical (2º Ciclo)
  • Educação Tecnológica (2º Ciclo)
  • Educação Visual (2º Ciclo)
  • Educação Tecnológica (3º Ciclo)
  • Educação Visual e Oficinas de Impressão (3º Ciclo)

Critérios de Avaliação do Departamento de Línguas

  • Língua Portuguesa e Línguas Estrangeiras (2º e 3º Ciclos)

Critérios de Avaliação do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

  • Ciências Naturais (2º Ciclo), Ciências da Natureza (3º Ciclo), Ciências Físico – Químicas (3º Ciclo), Matemática (2º e 3º Ciclo), Tecnologias Da Informação E Comunicação (3º Ciclo)

Para aceder aos resultados da avaliação de final de período, os alunos e encarregados de educação deverão aceder ao programa “Inovar Consulta” (separador “Inovar+”).

Os Encarregados de Educação ao acederem pela primeira vez ao programa, devem ir ao separador mudar password e alterar o login e a password, já que por defeito, a primeira entrada neste sítio  é feita com o login: “n.º de processo do aluno” e password “n.º do BI ou CC”. O nº de processo está indicado no registo de avaliação do seu educando.

O Plano Anual de atividades a desenvolver ao longo do Ano Letivo refere-se não só às atividades temáticas incrementadas e aos trabalhos executados dentro do Meio Escolar, mas promove e estimula também, projetos de intercâmbio entre as Escolas do Agrupamento e os Pais, a comunidade exterior circundante, as parcerias, bem como com outras escolas nacionais e estrangeiras.

 

– consultar documento.

O Projeto Educativo é o “documento de carácter pedagógico que, elaborado com a participação da comunidade educativa, estabelece a identidade própria de cada escola através da adequação do quadro legal em vigor à sua situação concreta, apresenta o modelo geral de organização e os seus objectivos pretendidos pela instituição e, enquanto instrumento de gestão, é ponto de referência orientador na coerência e unidade de acção educativa. “ (Decreto – Lei 115 – A/98)

É, assim, um instrumento de planeamento estratégico das escolas e organizador da sua integração no desenvolvimento local.

Integra-se num projecto local de educação, articulando as políticas nacionais e locais de ensino e representa também a tentativa de resposta ao problema da exclusão escolar que passa, necessariamente, pela inclusão social da escola na Comunidade Escolar, com consequências ao nível curricular, nos métodos de ensino, nas práticas pedagógicas, na gestão de recursos e na organização da escola.

O Projeto Educativo insere-se no quadro de uma lógica comunitária, isto é, numa estratégia de reforçar a autonomia da Escola, desenvolver a democracia interna e promover a sua integração no local, tendo em conta a sua especificidade, a diversidade e a implicação e participação de toda a comunidade.

O Projeto Educativo é um documento pedagógico, elaborado pela comunidade educativa, temporal, realista e concreto que expressa os pressupostos que dão coerência à acção educativa.

As finalidades e metas a atingir pretendem ser realistas, objectivas e exequíveis, adequadas à identidade deste Agrupamento Vertical, pois só assim o Projeto será dinâmico, activo, agregador e mobilizador de toda a comunidade educativa, visando a sua concretização e consecução, assente nos princípios da identidade, da inclusão e do respeito pelas suas diferenças, com a intenção de criar uma comunidade escolar com base em interesses próximos e comuns, ao serviço da coesão social, dos princípios da cidadania e do sucesso educativo.

Este documento pretende ser, ainda, um instrumento vivo, gerando uma forte dinâmica em todo o Agrupamento, sendo, para isso, um “instrumento” alvo de atenção e observação permanentes, em constante renovação e actualização.

– consultar documento.

O Sistema Educativo tem sofrido profundas alterações nos últimos anos. Cada instituição escolar sofreu os reflexos desta evolução de acordo com uma série de factores muito específicos, dos quais se destacam as condições e características do meio em que se insere, bem como os recursos de que dispõe e pode potenciar.

Desta forma, deve entender-se cada instituição / comunidade escolar dentro das suas especificidades / particularidades, com uma capacidade de resposta muito própria à mudança e evolução da prestação do serviço de educar / formar. Assim se entende que seja fundamental a concepção de um Regulamento Interno de Agrupamento, no qual se espelhem as especificidades institucionais, em particular, e da comunidade escolar, em geral.

Constitui o documento em causa um poderoso instrumento do exercício da autonomia – construída por todos os parceiros no pleno uso da sua liberdade e identidade – uma vez que a clara definição das normas do Agrupamento permite a cada um dos intervenientes e serviços regular a sua prestação para o desenvolvimento do papel comum de educar / formar. De todo este processo sai valorizada a identidade do Agrupamento, por força da sua capacidade de definir a sua organização pedagógica e administrativa. De todo este processo, prevalece o respeito pelas normas fundamentais comuns a todas as instituições, como forma de garantir a igualdade de acesso e oportunidade a todos quantos procuram o serviço público da educação.

Estamos certos que o desempenho da autonomia irá trazer mais benefícios ao Agrupamento de Escolas de Montemor-o-Novo, contribuindo para a realização consciente, objectiva e real do seu Projecto Educativo e das actividades e projectos que lhe irão dar resposta.

– consultar documento.